• Miriam Olivia

Acidente de Trabalho na animação "Perdi Meu Corpo" | Direito & Arte


Perdi Meu Corpo é um filme de animação francês dirigido por Jérémy Clapin que conta a história de uma mão que procura o seu corpo (Naoufel) e no caminho relembra momentos da sua vida.


Em um trecho Naoufel faz entregas de pizza e se apaixona por sua cliente Gabrielle, este fato desenvolve uma busca (criticada por ser obsessiva) que o leva a trabalhar na pequena loja de produção de móveis do tio de Gabrielle desenvolvendo o ofício de aprendiz de carpinteiro (cortando e produzindo móveis de madeira).


O tio utiliza alguns mandamentos de segurança em sua fala, mas nada concreto. Aqui discutimos sobre Equipamentos de Proteção Individual, necessários para o exercício de atividades que tragam algum risco, obrigatórios pela NR nº 6. Os principais EPI’s que devem ser utilizados em trabalhos com serrarias são: proteção para a cabeça (capacetes); proteção de olhos e face (óculos e protetor facial); proteção auditiva (há várias modalidades); proteção de membros superiores (luvas); proteção de membros inferiores (calçados e outros agentes), não visualizamos nenhum desses no filme.


Naoufel vai a uma festa que o deixa abalado diante da sua tentativa amorosa frustrada, ele ingere muita bebida alcoólica.

No dia seguinte está de ressaca e de coração partido.. vai para o seu trabalho.. inicia o corte de uma madeira na serra circular.. ele tenta tirar uma mosca..o relógio prende na máquina e a mão dele é decepada.


Os motivos mais comuns de acidente de trabalho em madeireiras: falta de atenção e pressa; procedimento errado; ambiente inseguro; falta de EPI dentre outros. Naoufel está visivelmente abalado pela sua noite anterior, o que traz reflexões sobre a situação psicológica do trabalhador que utiliza de equipamentos de alto risco.


O gerenciamento de risco no ambiente de trabalho se trata de uma série de procedimentos para a garantia de um ambiente sadio e seguro para todos. As empresas podem instaurar comissões e acompanhamento psicológico próximo dos trabalhadores, para monitorar situações que podem ensejar riscos para eles e para os demais.


A profissão de risco deve ser vista pelas lentes de um gerenciamento atento e próximo dos trabalhadores.

Indico a leitura do artigo: https://www.scielosp.org/article/rsp/2002.v36n6/702-708/pt/


Miriam Olivia Knopik Ferraz

Artigo escrito em 4 de novembro de 2020.

0 visualização0 comentário